FERRO E AÇO MACHADO EM ALTO SANTO-CE

sábado, 28 de março de 2015

Avião Que Caiu Na França: Copiloto planejava grande gesto, diz ex-namorada


Andreas Lubitz, acusado de ter derrubado o Airbus A320 nos Alpes franceses, queria que todos se lembrassem do seu nome 

Andreas Lubitz, 27, o copiloto acusado de ter derrubado deliberadamente um Airbus A320 da companhia alemã Germanwings, que caiu na última terça-feira (24) nos Alpes franceses e matou seus 150 ocupantes, disse a uma ex-namorada que estava em tratamento psiquiátrico e que planejava um grande gesto do qual todos se lembrariam dele.

 

O jornal alemão "Bild" publicou neste sábado (28) entrevista com ela, uma mulher identificada apenas como Maria W., que afirmou ter mantido um relacionamento com Lubitz em 2014. "Quando soube do acidente, lembrei de uma frase que ele me disse algumas vezes", contou Maria, uma comissária de bordo de 26 anos. "Um dia eu farei algo que mudará o sistema, e então todos saberão meu nome e se lembrarão dele", completou ela.

 

"Na época, eu não sabia o que ele queria dizer com isso, mas agora é óbvio", disse. "Ele fez isso porque percebeu que, devido a seus problemas de saúde, seu grande sonho de trabalhar na Lufthansa, de ter o cargo de piloto em voos de longa distância, era praticamente impossível." A mulher ainda disse que Lubitz nunca falou muito sobre sua doença, "somente que estava em tratamento psiquiátrico".

 

O porta-voz do Grupo Lufthansa, ao qual pertence a Germanwing, não quis comentar a notícia.

 

 

Investigações

 

Os serviços de resgate da França realizam neste sábado o quinto dia de rastreamento na região dos Alpes franceses, onde o avião, que fazia o trajeto entre Barcelona (Espanha) e Düsseldorf (Alemanha), caiu. A Promotoria de Düsseldorf informou nesta sexta-feira (27) ter encontrado provas de que o copiloto Andreas Lubitz teria ocultado da Germanwings que sofria de uma condição médica não especificada pelos promotores.

 

De acordo com o jornal americano "The New York Times", tratava-se de doença mental. Não foram divulgados detalhes. Segundo os promotores, os documentos eram um atestado médico que o afastava do trabalho e a prescrição de um tratamento para a doença. Os dois papéis foram encontrados rasgados dentro do apartamento de Lubitz, em Düsseldorf.

 

Os investigadores afirmam que as prescrições foram feitas horas antes da queda do avião, o que sustenta a versão de que ele teria escondido a doença da Germanwings e de seus colegas de trabalho. Porém, a Promotoria negou a existência de qualquer prova de que o copiloto teria agido por motivação política ou religiosa, assim como não encontrou uma carta de despedida, comum em casos de suicídio.

 

Os resultados revelados pela Promotoria nesta sexta foram coletados por policiais que revistaram o apartamento de Andreas Lubitz em Düsseldorf e na casa de seus pais em Montabaur. Em entrevistas, vizinhos afirmam que o copiloto tinha uma excelente condição física, que corria todos os dias e não fumava ou bebia regularmente. A imprensa alemã, porém, afirma que ele passou por tratamento psicológico diversas vezes.

 

Segundo o jornal "Bild", isso poderia ter sido provocado pelo rompimento de um namoro de sete anos. Os promotores alemães que investigam o caso, no entanto, não confirmaram nem negaram as afirmações.

Além da liberação da Lufthansa, o copiloto tinha o certificado médico de terceira classe da Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos, significando que ele estaria livre de doenças como psicose, transtorno bipolar e de personalidade. Isso significa que ele não sofria nenhuma doença psicológica que o faria incapaz de desempenhar sua função como piloto. 

 

Em entrevista, o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, pediu à Lufthansa que dê todas as informações necessárias sobre o piloto. "Apenas dessa forma poderemos entender por que esse piloto chegou ao ponto de fazer essa ação terrível."

DN