FERRO E AÇO MACHADO EM ALTO SANTO-CE

terça-feira, 14 de julho de 2015

Estudante do Ceará participa da olimpíada de biologia na Dinamarca

A aluna Letícia Pereira é a única brasileira a participar da competição internacional. No exterior, ela concorre com estudantes de 60 países

A estudante brasileira Letícia Pereira de Souza, 16, é a única brasileira a participar da Olimpíada Internacional de Biologia na Dinamarca, que teve início neste domingo, 12. A aluna, que é de natural de Pindamonhangaba, interior paulista, e que já mora em Fortaleza há quase dois anos, está concorrendo com alunos de outros 60 países. Ao todo, quatro representantes de cada país podem ser enviados para participar da competição.
No Brasil, a seleção ocorre por meio das Olimpíadas Brasileiras. Nesse ano, a estudante da 3ª série do Ensino Médio foi uma das selecionadas por meio da Olimpíada Brasileira de Biologia. Esta é a terceira vez em que a estudante brasileira participa de uma olimpíada internacional. Das duas primeiras vezes, Letícia faturou a medalha de prata na índia e a medalha de ouro no México.
A aluna, que pretende se tornar uma pesquisadora, tenta usar as competições como auxílio preparatório para a faculdade de biologia molecular nos Estados Unidos.
“Participar de olimpíadas foi o que despertou em mim a vontade de estudar fora do país. Foi assim que eu percebi que queria seguir carreira como pesquisadora, pois o que me motiva mesmo são as ciências naturais", afirmou Letícia.
Além disso, segundo a estudante, as competições internacionais proporcionam uma visibilidade maior e a ajudam na busca por estudar fora do país. "Com as olimpíadas eu consigo visibilidade maior para as universidades estrangeiras e isso aumenta minhas chances de realmente estudar em universidades como Harvard e MIT (Massachusetts Institute of Technology)”, completa.
Rotina
Encarar uma maratona de estudos não é fácil, Principalmente em grandes universidades. Com o sonho de se tornar destaque em sua área, Letícia divide a rotina com três expedientes de estudos.
Além dos estudos habituais em sala, a aluna conta com acompanhamento, preparação exclusiva em contraturnos com foco exclusivo em olimpíadas e professores preparados. Durante a manhã, a aluna pratica disciplinas fora da grade regular, fato que compensa durante o período da tarde. E, para competir, ela utiliza a noite para se preparar, com aulas específicas até às 21h30.
Devido a tanta dedicação, Letícia conseguiu aos 16 anos de idade ser aprovada em terceiro lugar nas duas fases do curso de ciências físicas e biomoleculares da USP de São Carlos. Segundo ela, o exame serviu como treinamento. Para a estudante, a preparação para as competições exige bastante esforço, já que os estudos são diferentes dos habituais para vestibular.
Na Dinamarca, Letícia enfrentará à principio dois dias de competição. No primeiro, que ocorreu no último domingo, ela realizou uma prova prática onde teve que abordar quatro áreas biológicas. Na segunda etapa, que acontece nesta terça, ela terá que fazer um exame teórico agregado a uma dissertação.

Fonte O Povo Online