FERRO E AÇO MACHADO EM ALTO SANTO-CE

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Religião pode acabar com carreira de goleiro, mas ele não se arrepende: "Somos escravos"








Vítor se converteu à religião adventista e portanto, ficou impedido de trabalhar aos sábados, como mandam os preceitos da crença.
 
Vitor é goleiro do Londrina mas deve ser dispensado por não jogar sábado (Foto: Divulgação)

Uma notícia tumultuou os bastidores do Londrina, recém-promovido à Série B, nos últimos dias. Sensação da equipe na última Série C, o goleiro Vítor se converteu à religião adventista e, portanto, ficou impedido de trabalhar aos sábados, como mandam os preceitos da crença. Com isso, seu time avisou que não irá renovar seu contrato, que acaba em maio, e a Chapecoense, que tinha intenção de contratá-lo, desistiu do negócio, já que consideram a restrição do atleta inviável para o futebol profissional.
Com possibilidade de encerrar a carreira, Vítor, que está há dois anos no time paranaense, garante que não se arrepende da escolha que fez e descarta parar.

"Sou de família católica e me converti adventista. Para algumas pessoas, o que importa é apenas ganhar dinheiro e ir pra balada, mas para mim não. Todos os mandamentos de Deus são importantes de serem seguidos, esse (guardar o sábado para descanso) inclusive. Ele ia de encontro com o meu trabalho, mas chegou a um ponto em que eu não podia ignorar essa verdade", conta Vítor, em entrevista exclusiva ao ESPN.com.br.

"Cheguei a essa situação em que ou continuava lendo a Bíblia e acreditando em Deus, ou ignorava minha crença, minha fé em Deus e rasgava a Bíblia. Eu não podia mais pregar uma coisa e fazer outra. Nesse momento, decidi me batizar e selar esse compromisso com Deus, guardando os sábados para descanso. E em nenhum momento me arrependo", completa.

O arqueiro afirma que, desde que tomou a decisão, sabia que isso traria conseqüências para sua carreira no esporte. Ele reclama de ser um "escravo da bola", devido à pouca abertura dada pelo calendário do futebol nacional.

"Se meu trabalho fosse outra atividade, seria bem tranqüilo, porque normalmente as pessoas trabalham de segunda à sexta. Mas como futebol a gente não tem essa abertura nem essa liberdade, porque somos escravos da bola, é difícil. É só olhar nosso calendário do futebol brasileiro", dispara.

 

 Segundo Vítor, ele avisou o presidente do clube, Felipe Prochet, e o treinador Cláudio Tencati que aceita 


fazer revezamento com seu reserva direto, Marcelo Rangel, ou mesmo ser colocado na reserva nas partidas em que não puder atuar, 
nas noites de sexta-feira e nos sábados. "Deixei o treinador bem à vontade para tomar as decisões e fazer o planejamento dele. No Estadual não terá problemas, porque os jogos são de quarta e domingo, mas na Série B tem muitos jogos de sábado e sexta à noite. Foi bem tranquilo e me deixaram exercer minha liberdade religiosa, coisa que é bem difícil, ainda mais no futebol", assegura. 

Nesta terça-feira, porém, o gestor do Londrina, Sérgio Malucelli, deu entrevista ao "Portal da Band" e garantiu que Vítor não terá seu contrato renovado. O camisa 1 achou a declaração estranha, já que garante que o cartola lhe disse o aposto.

"Se ele tiver duas palavras, fará isso, porque para mim ele disse outra coisa, que renovaria comigo até dezembro. Eu recebi uma proposta da Chapecoense muito boa financeiramente. Eu achei até que seria mais fácil eles aceitarem, porque a maioria dos jogos é de quarta e domingo, mas o clube não aceitou minha condição de guardar o sábado, então ele disse para eu ficar por aqui mesmo e que renovaria", ressalta.


Sem pensar em aposentadoria caso fique sem clube, Vítor diz que está focado em levar o Londrina à elite do Brasileirão e conquistar também o título estadual.


"Pretendo seguir como jogador, porque vivo meu melhor momento na carreira. Quero ser campeão paranaense e subir para a Série A. Mas depende do que o clube vai querer comigo. Se isso vai abreviar minha carreira eu não sei. Tudo vai depender da aceitação dos clubes do Brasil", analisa o ex-Vitória, Ponte Preta e Portuguesa.

"Mas em nenhum momento me arrependo", encerra.


Fonte:msn