FERRO E AÇO MACHADO EM ALTO SANTO-CE

quarta-feira, 2 de março de 2016

SESA registra morte por microcefalia em Russas e mais 20 municípios cearenses


Mais duas mortes de bebês com microcefalia foram registradas no Ceará. Com isto, sobe para 21 o registro de óbitos no Estado. A informação consta no último Boletim Epidemiológico da Microcefalia e alterações Sistema Nervoso Central, divulgado pela Secretaria da Saúde (Sesa), ontem. Do total de mortes, três foram episódios de natimortos e os outros 18 casos evoluíram óbito após o nascimento. A diferença em relação ao boletim anterior, divulgado no dia 22 de fevereiro, é de duas mortes.
Das mortes, 47,6% (10), permanecem em investigação e 52,4% (11/21) foram confirmados sugestivos de infecção congênita. Um destes casos a houve a identificação do vírus Zika no tecido fetal.


Fortaleza registra sete das 21 mortes. Canindé (2), Acarape, Crateús, Iguatu, Ipaumirim, Jucás, Maracanaú, Morrinhos, Pacajus, Quixeramobim, Russas e Tejuçuoca são outros municípios que também confirmaram óbitos.

O número de notificações também cresceu, passando de 335 registros no boletim anterior, para 352 no documento divulgado ontem. Porém, a quantidade de episódios confirmados permanece a mesma. Ao todo, somente 33 casos foram confirmados o que equivale a 9,4% do total notificado.

De todos os registros feitos entre outubro de 2015 e o dia 29 de fevereiro deste ano, 13,6% (48) foram descartados e 77% (271) estão em investigação. Do casos notificados, 83,2% (295) foram detectados no pós-parto e 16,2% (57) durante a gestação.

Localização

O atual boletim também indica ampliação na distribuição geográfica dos casos. O documento anterior apontou o registro de casos em 77 cidades do Ceará. O atual, expõe que subiu para 80 o número de municípios com notificações de crianças com diagnóstico de microcefalia.

No boletim, a Secretaria da Saúde (Sesa) reforça que a população deve adotar medidas que possam reduzir a presença de mosquitos Aedes aegypti que é o transmissor do zika vírus.

A eliminação de criadouros e a proteção da exposição de mosquitos, com ações como manutenção de portas e janelas fechadas ou teladas são recomendadas pelo poder público. O documento orienta ainda que grávidas devem usar calça e camisa de manga comprida e utilizar repelentes apropriados.


Diário do Nordeste