FERRO E AÇO MACHADO EM ALTO SANTO-CE

domingo, 28 de agosto de 2016

Morte de criança de 2 anos após beber achocolatado é investigada em Cuiabá




Segundo a mãe, o filho morreu apenas uma hora após ingerir a bebida. Vigilância Sanitária determinou a interdição cautelar do lote do achocolatado.

26/08/2016 17h58 - Atualizado em 26/08/2016 19h03

Por Lislaine dos Anjos

Do G1 MT

A Polícia Civil está investigando a morte de uma criança de dois anos de idade, que deu entrada na Policlínica do Coxipó com parada cardiorrespiratória, supostamente causada após ingerir uma bebida achocolatada, nesta quinta-feira (25). A mãe do menino registrou um boletim de ocorrência na Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e o caso está sendo investigado pela Delegacia Especializada de Defesa da Criança e do Adolescente (Deddica).

Segundo relato da mãe da criança, de 28 anos, o filho tomou o achocolatado, da marca Itambé, por volta das 9h, na casa da família, no Bairro Parque Cuiabá, na capital, passando mal minutos depois. AoG1, a empresa Itambé afirmou que foi notificada nesta sexta-feira (26) e que manteve contato com a Vigilância Sanitária e que se colocou à disposição para ajudar na investigação dos fatos.

De acordo com o relato da mãe à polícia, a criança já estava com resfriado há dois dias, mas não apresentava sintoma algum, além de coriza. Porém, após ingerir a bebida, o filho teria ficado com “falta de ar, corpo mole e princípio de desmaio”, morrendo uma hora depois, na policlínica.

Conforme a mãe, na Policlínica do Coxipó, os médicos chegaram a tentar reanimar a criança por cerca de uma hora. A mãe afirmou, ainda, que, tanto ela quanto um tio da criança, beberam um pouco do achocolatado e também passaram mal. Ela relatou ter sentido náuseas e tontura. O tio foi encaminhado para o Pronto-Socorro de Cuiabá.

Após a ocorrência, a polícia apreendeu cinco caixas do achocolatado na residência da família, sendo três fechadas e duas abertas. Uma das caixas já estava vazia, segundo a polícia, por ter sido a bebida ingerida pela vítima. Segundo a mãe, o achocolatado foi dado a ela por um vizinho, que ainda não foi localizado pela polícia para dar mais informações.

Segundo a polícia, o material apreendido foi encaminhado para o Laboratório Forense da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) e deve passar por análise. As amostras colhidas do estômago da criança durante o exame de necropsia também serão avaliadas pelos peritos.

Lote interditado
Segundo a polícia, a Coordenadoria Estadual de Vigilância Sanitária já solicitou aos Escritórios Regionais de Saúde a interdição cautelar de todos os achocolatados da marca Itambezinho que tenham sido fabricados em 25 de maio deste ano, com validade em 21 de novembro de 2016, referentes ao lote MA 21:18.

“Tal denúncia se faz necessária do risco sanitário implicado e em decorrência da denúncia recebida do Serviço de Verificação de óbito, que levou a óbito uma criança após a ingestão do produto”, diz trecho do documento encaminhado pela Vigilância.

Conforme a Vigilância Sanitária, os estabelecimentos que possuem o produto para venda devem retirá-lo de circulação até uqe a investigação seja finalizada e a perícia obtenha resultados conclusivos sobre a qualidade e a segurança do produto.

Outro lado
Em nota, a Itambé disse ter sido notificada hoje dos fatos ocorridos em Cuiabá e afirmou ter entrado em contato com a Vigilância Sanitária regional e que está auxiliando na apuração dos fatos.

"O referido produto está no mercado há mais de uma década e nunca apresentou qualquer problema correlato. Até o presente momento, não tivemos nenhuma outra reclamação do mesmo lote", afirmou a empresa.

A Itambém afirmou, ainda, que realiza regularmente provas internas e em laboratórios externos de seus produtos e que tem compromisso com a qualidade. A empresa alegou que "já disponibilizou as contraprovas para os órgãos oficiais e continuará trabalhando em conjunto para outros esclarecimentos que se fizerem necessários".