FERRO E AÇO MACHADO EM ALTO SANTO-CE

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Média do mês é atingida com as chuvas do fim de semana




O saldo positivo pode aumentar, já que ainda falta mais de uma semana para o mês acabar. Como previsto pela Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), na sexta­feira (17), o Ceará atingiu a média mensal de chuvas para fevereiro com as precipitações deste fim de semana. Na manhã de ontem, o volume alcançou 127,8mm, desvio positivo de 7,8% da média histórica de 118,6 mm. Isso não acontecia desde 2012. 

De lá para cá, os registros não foram animadores, com índices negativos que colaboravam com o quadro de seca. No ano passado, choveu apenas 53,2 mm (­55,2%).
Em 2015 e 2014, apesar de maiores quantidades em relação a 2016, 96,3mm e 91,9mm, os desvios continuaram negativos (­18,9% e ­22,5%, respectivamente). Em 2013, o número também foi baixo, apenas 61,6mm (­48,1%).


Em janeiro deste ano, porém, o registro não foi satisfatório. As precipitações (68 mm) não atingiram a média de 98,7mm normal para o mês, resultando em um desvio negativo de 31,1%. Em 2016 havia sido melhor, quando choveu 191,8mm, fato que não se repetiu nos anos anteriores, em que o mês também fez registros abaixo da média. Com o saldo positivo deste fevereiro de 2017, no entanto, o Estado pode ultrapassar os 138,1mm (16,4%) de 2012 referente a este período, já que ainda estamos no penúltimo fim de semana do mês. Com a condição de nebulosidade variável ao longo do dia, a expectativa para esta segunda­feira (20) e terça­feira (21) é de que continue chovendo em todas as regiões do Estado, com destaque para a região Centro­Norte nos próximos dias, como ressalta o meteorologista da Funceme, Raul Fritz.

Segundo destaca, a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), principal indutor das precipitações no Ceará durante a quadra chuvosa, se mantém numa posição favorável à continuidade das chuvas, mas deve ser observada nos próximos dias. "Ela se inclinou mais e isso foi bom, mas tende, com o tempo, a perder um pouco essa inclinação. Ou seja, como ela oscila, é possível que as chuvas possam diminuir se ela se inclinar e ficar paralela à costa. Nessa posição, a influência é maior na região litorânea e começam a diminuir as chuvas do Centro para o Sul".

Das 7h de sábado às 7h de domingo, a Funceme registrou precipitações em 40 municípios, com destaque para o Cariri e Centro­Sul: Cedro (45mm), Lavras da Mangabeira (42mm) e Orós (42mm). Fortaleza registrou apenas 24.4 mm. 

Nesta terça­feira (21), a Funceme divulgará o novo prognóstico da quadra chuvosa no Estado, referente ao trimestre março/abril/maio. "Vamos utilizar um quadro mais recente porque houve mudanças nas condições do Oceano. O La Niña deixou de existir completamente. O Atlântico não está tão favorável à condição de chuvas intensas e estamos dependendo de respostas de alguns modelos para saber se continua a maior probabilidade de chuvas dentro da média ou se vai cair", explica Fritz.

Consequências
Precipitações mais significativas ocorreram entre sexta­feira e sábado passados, quando a Funceme registrou chuva em 111 municípios e as cinco maiores foram em Alto Santo (178mm), Ibicuitinga (157mm), Morada Nova (155mm), Independência 114mm e Quixeré (104mm). Só em Morada Nova, foram registradas, no sábado, três chuvas acima de 100mm: na localidade de Lacraia (155,6mm), na sede urbana (127mm), Patos (108mm) e Cipoaba (107mm). As precipitações provocaram pontos de alagamento, estragaram estradas vicinais e deixaram algumas casas alagadas.
Apesar das boas chuvas, Fritz observa que os modelos meteorológicos observados não são favoráveis para a ocorrência de chuvas acima da média e recuperação do nível dos reservatórios médios e grandes, estratégicos para o abastecimento das grandes cidades.

Plantios
Onde a terra está mais molhada, como no Cariri, os agricultores já iniciaram o plantio das sementes de milho, feijão e sorgo. Nos municípios de Cedro e de Várzea Alegre, os produtores rurais já estão no campo, fazendo os primeiros cultivos. "A gente tem de aproveitar as primeiras chuvas, a umidade do solo", disse o agricultor João Mota, da localidade de Várzea da Conceição.

Em Várzea Alegre, o casal, Luís Gomes e Maria das Graças Gomes, iniciou o cultivo de um hectare de milho e feijão, na localidade de Olho D'Água. "Se continuar chovendo, a gente vai plantar arroz, que exige mais água. A maioria está esperando chover um pouco mais para plantar na próxima semana", disse.

Na região Centro­Sul, a distribuição das sementes do Programa Hora de Plantar será concluída hoje. Apesar das chuvas localizadas e reduzidas em Iguatu, os agricultores estão animados. "Agora, a terra já está com a umidade favorável na maioria das áreas de cultivo", disse o gerente regional da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ematerce), Joaquim Virgulino Neto. "Houve dificuldades de transporte por isso neste ano a entrega retardou um pouco mais", completou.

Os agricultores reclamam da redução de 50% da quantidade de semente de feijão, que é um dos grãos mais demandados. "O governo obteve dificuldade para comprar sementes selecionadas de feijão, por isso a oferta caiu em todo o Estado, na campanha deste ano", explicou Virgulino Neto.

Mudança
Além do clima ameno, a água voltou a correr em diversos rios. Em um deles, o Jaguaribe, a barragem das Pedrinhas, em Limoeiro do Norte, voltou a sangrar, transformando a principal atração turística daquela região, faltando apenas uma semana para o Carnaval. Não foi diferente em Banabuiú, no Sertão Central, no rio que corta o município e outros seis (Mombaça, Piquet Carneiro, Senador Pompeu, Quixeramobim, Jaguaretama e Morada Nova) e deságua no Jaguaribe. Logo abaixo da barragem do Açude Arrojado Lisboa, as máquinas estão trabalhando na formação de um piscinão, onde a população se concentrará durante o dia para brincar o Carnaval. Com a mudança meteorológica, o local ficará ainda melhor para os brincantes. Da quarta para a quinta­feira a situação era outra. Não houve registro de chuvas no Estado pela segunda vez no mês. Agora, as águas estão voltando a rolar, para a alegria de todos.

Acesso Interrompido
As chuva do sábado, em Banabuiú, superiores a 150mm, conforme informações de moradores daquela cidade, encheram o rio homônimo, provocando os primeiros transtornos na região. Uma ponte de madeira, acesso improvisado da cidade à vila da Barra do Sitiá, foi arrastada pela correnteza. Os moradores ainda se esforçaram, tentado desbloquear o curso da água. Por volta do meio­dia do sábado, a estrutura não suportou a força do rio.

Na noite anterior, estudantes retornaram às pressas para aquela localidade, situada a 30Km do Centro da cidade. Havia receio de a ponte desabar. As chuvas começaram a se tornar mais frequentes ainda na sexta­feira. Apesar do transtorno, os moradores não ficaram isolados. Existe um acesso por estrada, pela localidade de Lagoa da Serra. A expectativa é de mais chuvas na região.
Na última terça-­feira, o diagnóstico foi bem diferente. Conforme a Funceme, as precipitações acumuladas durante janeiro ficaram abaixo da média mensal, e causaram diferentes impactos nas regiões cearenses.

O último mapa do Monitor de Secas do Nordeste (MSNE) apontava discreta melhora para a região noroeste do Estado. A notícia só não chegou a ser positiva porque, no comparativo com o mapa do MSNE de dezembro de 2016, foi observada nas demais regiões a permanência dos graus mais severos de estiagem ou até o avanço da seca mais grave, como ocorreu no Baixo Jaguaribe.

Fonte: Tv Jaguar / Diário do Nordeste